quinta-feira, 7 de maio de 2015

Apostila Principal

Reflexão

Escolhi esta especialidade porque a medicina e a ciência estão voltados para os interesses privados combatendo as doenças e não tem tempo e nem interesses para estudar a suas causas e assim cuidar da saúde, e muito menos das pessoas que adoecem.

Para  mim, o doente é quem merece todo o cuidado e estudo. Os sintomas são apenas sinais de uma vida em desarmonia, a  vida deve ser vista e compreendida de maneira ampla, Holística. Eu trago uma proposta de Terapia capaz de enxergar e compreender o todo que envolve uma pessoa e os sinais emitidos pelo seu organismo. Através da interpretação minuciosa, é possível detectar uma doença antes que ela apareça em  forma de  manifestações  física( sintomas, exames laboratoriais etc.) Mesmo a doença ter-se manifestado as técnicas aturam como um sistema facilitador, integrando o homem a si mesmo(Corpo, Mente, Emoção e Espirito), ao outro e ao meio em que ele vive; interferindo de maneira natural no processo de cura e principalmente na origem dos problemas.  A doença quando compreendida e respeitada poderá se transformar num potente elemento evolutivo e sinalizador, tanto para o doente como para o terapeuta, e juntos evoluirão.


HISTORICO  China - 1122 – 221  (A. C.)

O Imperador Amarelo foi dotado de talentos divinos, nos tempos antigos em que nasceu: na primeira infância já sabia falar. Muito jovem ainda era rápido de entendimento e sagacidade, em adulto foi sincero e compreensivo e quando atingiu a perfeição ascendeu ao Céu.
Uma vez, o Imperador Amarelo dirigiu-se a Ch'i Po, o mestre divinamente inspirado, nos seguintes termos:
- Ouvi dizer que nos tempos antigos, as pessoas viviam  mais de um século e mesmo assim permaneciam ativas e não se tornavam decrépitas nas suas atividades. Hoje em dia, porém, as pessoas só vivem a metade desses anos e mesmo assim tornam-se decrépitas e débeis. É por que o Mundo muda de geração para geração? Ou será por que a espécie humana negligencia as leis da Natureza?
Após 10 anos de pesquisa Ch'i Po retorna ao imperador.
E Ch'i Po respondeu:
- Antigamente, essas pessoas que compreendiam o Tao (o caminho do auto-desenvolvimento) moldavam-se de acordo com o Yin e o Yang (os dois princípios da Natureza) e viviam em harmonia com as artes da adivinhação.
Havia temperança no comer e no beber. As suas horas de levantar e recolher eram regulares e não desordenadas e ao acaso. Graças a isso, os antigos conservavam os seus corpos unidos às suas almas, a fim de cumprirem por completo o período de vida que lhes estava destinado, contando cem anos antes do padecimento.
Hoje em dia, as pessoas não são assim; utilizam o vinho como bebida e adotam a temeridade e a negligência como comportamento habitual. Entram na câmara do amor em estado de embriaguez; as paixões exaurem-lhes as forças vitais; o ardor dos desejos maltrata-lhes a verdadeira essência; não são hábeis na regulação da sua vitalidade. Devotam toda a atenção ao 

Reprimiam a vontade e reduziam os desejos; os seus corações estavam em paz e sem qualquer medo; os seus corpos labutavam e, contudo, não sentiam fadiga.
O seu espírito respeitava a harmonia e a obediência, estava tudo de acordo com  os seus desejos e conseguiam o que quer que desejassem. Achavam excelente qualquer espécie de comida e qualquer espécie de vestuário os satisfazia. Sentiam-se felizes em todas as circunstâncias. Para eles, não importava que um homem ocupasse na vida uma posição elevada ou inferior. A homens assim se pode chamar puros de coração. Não há desejo capaz de tentar os olhos destas pessoas puras e a sua mente não pode ser desencaminhada pelos excessos nem pelo mal.

Numa sociedade assim, quer os homens sejam sensatos quer idiotas; quer virtuosos quer maus, não têm medo de nada, estão em harmonia com o Tao, o Caminho Certo. Por isso, os antigos viviam mais de um século e permaneciam ativos e sem se tornarem decrépitos, porque a sua virtude era perfeita e nada jamais a punha em perigo.
Foi apartir deste diálogo que, mais tarde, no ano de 1122  a c.  na dinastia Chia, Shang, Shou  que a  Yniologia começou a ser estudada com mais seriedade surgindo, então, a filosofia do caminho do meio( Taoismo)



Introdução


            Para melhor entendermos a função do Shiatsu, será necessário abrangermos a consciência do que venha ser o corpo humano e suas leis nas mais sutis manifestações. É fundamental no processo de desenvolvimento da percepção do diálogo não verbal que acontece nas infinitas possibilidades do organismo em contato com a vida, que deve ser encarada também como um potente meio orgânico, um verdadeiro campo propício ao movimento primordial da vida . A doença , para mim, é um elemento sinalizador das condições de vida e ecofatores, nas quais um determinado organismo está sendo bloqueado ou  reprimido nas suas funções originárias. A doença nada mais é do que um chamado de retorno às necessidades homeostáticas e aos potenciais genéticos contido em cada organismo, responsáveis em produzir a qualidade de vida, tanto do indivíduo, como do meio em que ele vive. 
           O Shiatsu auxilia a produção da normalização das funções orgânicas, ajustando este organismo, criando coerência entre o sentir e o agir, através da ampliação da consciência de si mesmo.
           A saúde está muito relacionada com a capacidade de adaptação de cada indivíduo às circunstâncias impostas pela vida, não ter e nem criar princípios rígidos na maneira de viver e conviver.
           Através do curso de Shiatsu, proponho uma percepção mais ampliada da saúde e da vida no corpo, meu desejo é contribuir de maneira criativa no despertar de uma consciência mais profunda sobre nossos potenciais humanos, produzindo, assim, mais qualidade em nossas vidas.

Shiatsu é considerado hoje uma forma  de medicamento para o homem  moderno porque se propõe resgatar a consciência corporal,  num momento onde o homem vive ocupado externamente criando para si aquilo que leva a doença que chamaremos de dissociação. O Shiatsu facilita a produção da normalização das funções originárias do organismo atuando indiretamente sobre as funções orgânicas através  estimulação de vários sistemas sutis de feed back.  Shiatsu não é massagem é uma forma de  pressoterapia que utiliza vários procedimentos com  o intuito de produzir a normalização da circulação da energia vital pelos meridianos e canais especiais espalhados por todo o corpo. O Shiatsu é uma técnica muito eficiente que pode ser associado a vários  outras  formas de tratamentos. Muitos terapeutas costuma combiná-lo com outras como Moxaterapia, Acupuntura, Massoterapia, Quiropraxia, Homeopatia  etc.


Através das técnicas do Shiatsu proponho estimular as energias internas de cada organismo, para que ele próprio possa produzir a normalização correta de suas funções orgânicas, tendo como base alguns conhecimentos da milenar Medicina Chinesa e de várias pessoas  que cruzaram meu caminho, trazendo-me luz, fé, entusiasmo e dedicação. Através do curso de Shiatsu proponho uma abordagem mais ampla sobre a vida e saúde do ser humano.






Agradeço o Tao por ter criado Deus, agradeço a Deus  por ter criado um universo, agradeço ao universo por facilitar a vida, agradeço à vida por permitir que eu exista e que seja útil e viver em harmonia com Tao.
 




 
O QUE É SHIATSU?

           Literalmente SHI significa dedo e ATSU Pressão. SHIATSU Trata-se de uma técnica de pressoterapia de origem japonesa, que surgiu entre o século XVI e XVII, no Japão, com a combinação da técnica tradicional AMNA. Com o objetivo de produzir a saúde através da harmonização profunda dos canais energéticos espalhados pelo corpo como podemos ver na figura -1

                                            
     O Shiatsu surgiu através da Acupuntura, que é considerada a “mãe” das terapias alternativas que hoje se aproximam dos 5.000 anos de existência e prática. É graças à HUAN-TI, chamado de Imperador Amarelo ( 3.700 a. C.), que hoje podemos discutir esta técnica. Foi o Imperador que mais se interessou pela medicina, foi um grande responsável pelo desenvolvimento destas técnicas.
           O Shiatsu como toda técnica oriental também sofreu grandes influências culturais e filosóficas, inclusive da própria filosofia Zem budista e Taoista. Notamos esta influência no rítmo com que é aplicado. Existe, no Shiatsu, esta influência, mas isto não quer dizer que o terapeuta tem que ser um budista ou um taoista.
Poderíamos explicar o Shiatsu de duas formas : uma a nível científico e outra a nível tradicional.
           As primeiras escolas de Shiatsu são: KOHO IGAKU e NIPON SHIATSU SCHOOL.
           A 1ª escola a ser formada foi a Koho de Medicina, ministrada pelo Mestre Yokuyama Rioho. Esta é a escola mais tradicional do Shiatsu.

           A ESCOLA KOHO IGAKU DE MEDICINA- MESTRE YOKUYAMA EXPLICA O SHIATSU À NÏVEL TRADICIONAL
  A pressão do Shiatsu exercida sobre os meridianos da Acupuntura atua na harmonização do campo energético profundo. Os meridianos são canais energéticos por onde circulam as energias Yin-Yang. Existem, no corpo humano, 12 meridianos da grande circulação energética e 2 da pequena circulação; 6 meridianos Yin que vêm da Terra, cruzando o corpo em direção ao Céu e 6
meridianos Yang, que vêm do Céu, cruza o corpo em direção à Terra. Cada meridiano está ligado a um órgão do corpo humano e este muito depende da flexibilidade e fluidez, porque ali passa a
energia vital a seguinte ordem :



                                           




Então, num período de 24 horas, a energia vital passa por todos os meridianos e assim fortalecendo as funções orgânicas em geral. Quando há uma ruptura, um corte na circulação, na passagem dela pelo meridiano, o órgão fica com sua função debilitada, ai começa um desequilíbrio no ciclo natural que levará o organismo a adoecer. Então, o Shiatsu atua desbloqueando os meridianos e fazendo com que a energia flua naturalmente no horário correto e as funções orgânicas se dão de maneira harmônica.




"O pessimista se queixa do vento. O otimista espera que ele mude. O realista ajusta as velas."
William George Ward (1812-1882) Teólogo inglês

 A ESCOLA NIPON SHIATSU SCOOL EXPLICA O SHIATSU À NÍVEL CIENTÍFICO


 Mestre Tokojiro Namikoshi, fundador da Nipon Shiatsu School explica que através da pressão do Shiatsu, o ácido láctico, em excesso na musculatura, é eliminado. Sabemos que o ácido láctico é o resíduo final da queima do glicogênio pelo oxigênio. O fígado, através da absorção dos nutrientes do intestino delgado, produz glicogênio, é a energia do açúcar. Este glicogênio cai na corrente sangüínea e é levado para as células; da mesma forma os pulmões absorvem o oxigênio e o transporta, via corrente sangüínea, para as células. Chegando lá, ocorre em cada necessidade de ação. Ex:
- para pensarmos, falarmos, agirmos, andarmos, fazermos o metabolismo orgânico, necessitamos de energia, e esta energia é justamente obtido através da queima do glicogênio pelo oxigênio, só que como toda combustão, sofre resíduos. Ex: quando a gasolina é queimada no automóvel e o resíduo que sobra é o gás carbônico; da mesma forma que o resíduo da queima do oxigênio pelo glicogênio tem como sobra o ácido láctico e dióxido de carbono.
           O ácido em excesso causa cansaço, dor muscular e acidifica o organismo propiciando – o, assim, a uma certa tendência à doença, então o Shiatsu cura através da eliminação de ácido láctico e promovendo uma nova formação de glicogênio.


APLICAÇÃO DO SHIATSU


           O Shiatsu é aplicado de maneira muito simples bastando, para isto, um tapete ou uma esteira, num ambiente tranqüilo, de preferência em penumbra. O Shiatsu, como técnica, exige muito do aplicador na sua postura, no seu rítmo, no domínio consciente do trajeto do esquema de manipulação e, principalmente, o rítmo com que é aplicado, chegando até 45 minutos de aplicação.
           O aplicador deve ter, além da técnica, conhecimento de Anatomia, Fisiologia e Patologia, ética profissional, higiene. Ter boa vontade, carinho sensibilidade, criatividade e entusiasmo, respeito, dedicação e amor pelo próximo.



A MEDICINA ORIENTAL

           A Medicina Oriental ,é praticada na China, na India, no Japão e outros países asiáticos desde tempos imemoriais, tem como forma de abordagem primária, tratar  pela causa primária ou pelo estilo de vida. Consideram que existem  três categorias de tratamento :
- Tratamento Superior : tratamento da totalidade da personalidade  e do estilo de vida através, sobretudo da orientação e guiamento no sentido da autoreflexão e auto-aperfeiçoamento da vida cotidiana.
- Tratamento Médio:   trata da causa, sobretudo através da mudança de alimentação, de exercícios físicos e do ajustamento do fluxo energético.
-          Tratamento Inferior:  tratamento sintomático, sobretudo por meio de prática medicinal e cirúrgica.
Também classifica os terapeutas  em três categorias :
-           Terapeutas inferiores  -  os que tratam e curam as doenças, sintomaticamente, mas que não tratam toda a personalidade do paciente.
-          Terapeutas Médios  -  os que tratam e curam pessoas que sofrem de doenças mudando seus hábitos pessoais.
-          Terapeutas Superiores  -  os que tratam e curam as várias doenças da sociedade, do país e do mundo, através da filosofia e da educação acerca do estilo de vida coerente.


                  

 REGRAS OU LEIS BÁSICAS DA MEDICINA ORIENTAL



           As leis da Medicina Oriental, de cunho pragmático, são regras que funcionam em nível prático. Sua linguagem é simbólica e faz parte de uma cosmogonia, já que o espírito oriental volta-se sempre para a síntese. Na visão oriental, o macrocosmo e o microcosmo se identificam : as leis que regem o homem, regem também o universo.
           Estes conceitos, que têm na prática sua maior validade, muitas vezes caem no descrédito do mundo científico pela carência de maior consistência causal, mas, quando observados pelo prisma da eficácia, sua validade é indiscutível.
1-      Lei Mãe – Filho;
2-      Lei Marido – Mulher;
3-      Lei Meio – dia / Meia- noite;
4-      Lei dos Cinco Elementos;
5-      Lei da Interpretação.

                                                  LEI MÃE – FILHO


Tonificando a Mãe, tonificamos o Filho; sedando o Filho, sedamos a Mãe.
A  relação generativa Mãe – Filho se dá segundo a seqüência da passagem da energia pelos meridianos da Grande Circulação – o meridiano “Filho” se segue ao meridiano “Mãe”.
Portanto, o pulmão é Mãe do intestino grosso e Filho do Estômago. Para tonificarmos o pulmão poderíamos tonificar os Rins simultaneamente, para sedarmos o pulmão sedaríamos também o intestino grosso.
                              
                                    
                                         LEI MARIDO E MULHER

                                      

Tonificando o Marido, sedamos a Mulher, sedando o Marido, tonificamos a Mulher. Esta lei se interpreta segundo o posicionamento relativo dos meridianos no pulso; os profundos com os profundos e os superficiais com os superficiais. Os meridianos do pulso esquerdo são os Maridos e os do pulso direito são as mulheres. Assim, por exemplo, o meridiano corresponde ao pulso radial, distal, profundo do braço esquerdo é Marido do que corresponde ao pulso radial, distal, profundo do braço direito, ou seja, o coração é Marido do pulmão, e este, sua Mulher.
A relação Marido – Mulher pode ser obtida a partir da lei dos Cinco Elementos, correspondendo à lei de dominância. Apresentamos abaixo os meridianos segundo sua relação Marido – Mulher:


   
           Pulso Direito (MULHER)                                     Pulso Esquerdo ( MARIDO)

 
Triplo Aquecedor                                                                    Bexiga
Circulação – Sexo                                                                    Rim
Estômago                                                                                 Vesícula Biliar
Baço- Pâncreas                                                                         Fígado
Intestino Grosso                                                                       Intestino Delgado
Pulmão                                                                                     Coração









  
                                LEI DO MEIO- DIA/ MEIO- NOITE    ( FIG 2)

Tonificando um órgão Yang no horário Yang, sedamos o órgão Yin que se encontra em oposição. Tonificando um órgão Yin no horário Yin, sedamos o órgão Yang que se encontra em oposição. No caso da sedação, o órgão será tonificado.
Na verdade, se agirmos moderadamente sobre um órgão, apenas este órgão será afetado, mas se o fizermos fortemente, então agiremos também sobre o órgão que lhe está em oposição. Além disso, se agirmos sobre um órgão Yang no horário Yang, ou sobre um órgão Yin no Horário Yin, o  efeito sobre o órgão em oposição será mais acentuado.
Logo, se sedarmos fortemente um órgão Yang, como o intestino delgado, no horário Yang, ou seja, pela manhã, tonificaremos o órgão que lhe está em oposição,  que é o fígado, o qual é um órgão Yin. O mesmo ocorre para um órgão Yin no horário Yin, ou seja, à tarde, e também para a tonificação.
Embora esta lei determine que o efeito sobre o órgão em oposição seja contrário ao estímulo que aplicarmos ao órgão sobre o qual agimos diretamente, o que acontece, na verdade, é que há um equilíbrio entre os dois. Isto quer dizer que se tonificarmos o intestino delgado, por exemplo, e o fígado estiver hipoativo, este será também tonificado e não sedado.

                                       

LEI  DOS  CINCO  ELEMENTOS

 

Geração :  tonificando a Mãe, tonifica-se o Filho; sedando o Filho, seda-se a Mãe.

Dominância:  tonificando o dominador, seda-se o dominado; sedando o dominador, tonifica-se o             dominado.

Na Antigüidade, havia diversas classificações numéricas de todas as coisas, em grupos de tamanhos variados. Os Cinco Elementos e as leis que regem suas interações foram uma tentativa de produzir uma explicação racional do Universo. Possivelmente o número 5 tenha sido escolhido por ser o mais encontrado dentre as classificações existentes. Para termos uma idéia da importância do número 5, devemos lembrar que possuímos 5 sentidos, 5 órgãos e 5 vísceras, e que, se considerarmos o centro como um ponto cardeal, serão 5 os pontos cardeais.





 

Os cinco elementos, que se originam da interação do Yin como Yang, são:

                             FOGO   TERRA   METAL   ÁGUA   MADEIRA
Estes elementos não devem ser considerados como materiais, mas sim como forças ou tendências, cuja interação dá mutabilidade a todas as coisas do Universo.

                         

   LEI  DA  INTERPRETAÇÃO


Pode-se interpretar como uma lei, na prática do Shiatsu, a preferência por determinadas regiões do corpo, no tratamento de certas afecções. Por exemplo:

1)      doenças gênito- urinárias e ginecológicas : parte interna das pernas ( meridianos Yin : F, R e BP);
2)      moléstias do tórax : meridianos do estômago;
3)      moléstias da cabeça : meridianos do intestino grosso e da bexiga;
4)      moléstias da parte superior do corpo : meridianos do intestino grosso e int. delgado;
5)      moléstia da parte central do corpo : meridiano do baço - pâncreas;
6)      moléstia da parte inferior do corpo : meridiano do fígado;
7)      moléstia das costas e dos ombros : meridiano da bexiga.

O QUE É O MERIDIANO (Keiraku) ?

           Os meridianos são segmentos que conectam um ponto a outro, formando circuitos energéticos que revitalizam não apenas a área adjacente a eles, mas sobretudo os órgãos a eles associados, por um mecanismo de reflexos do estímulo pele – função orgânica – pele, operando num sistema de feed back negativo, ou seja, de forma a regular o funcionamento orgânico.
Para melhor compreendermos o sentido do fluxo energético nos meridianos, imaginemos o homem com os pés na terra e as mãos para o céu. A terra é Yin, e o céu é Yang. Os meridianos Yang são do céu e vão para a terra, e  os meridianos Yin são da terra e vão para o céu. Como estas duas tendências são opostas e complementares, atraindo-se, o homem é um transformador de energias do céu e da terra. A energia Yang do céu percorre o homem e busca a terra e a energia Yin da terra percorre o homem e busca o céu. 
                                
O meridiano do pulmão, Tai-Yin da mão
O meridiano do pulmão é de natureza Yin e apresenta-se acoplado ao meridiano do intestino grosso que é Yang. Recebe a energia do meridiano. do fígado e a transmite ao meridiano do intestino grosso.
Em relação aos cinco elementos, pertence ao elemento Metal de Yin, sendo sua Mãe do elemento Terra (o meridiano do baço-pâncreas) e seu Filho de Água (o meridiano dos rins).
Tem onze pontos de cada lado.

I. Trajetória

Nascendo no nível do centro do abdômen, atravessa o diafragma, entra nos pulmões e alcança as axilas, onde se localiza o ponto Zhong fu. A partir desse ponto, o primeiro dos nove pontos intermediários do meridiano do pulmão desce ao longo da face radial e palmar do braço; segue pelo antebraço, para terminar ao nível da unha polegar (leito ungueal). Desse modo, o número total dos pontos desse meridiano principal dos pulmões é onze
As doenças pulmonares apresentam síndromes diferentes, que se manifestam à medida que os pulrnöes estejam em repleçäo ou em Vazio. Se os pulmões estiverem num estado de Plenitude, será necessário dispersar a energia excedente. Se estiverem depletos, será preciso tonificá-los.

II. Sintomatologia

1.    Sintomas principais
A. Respiratórios: mal-estar torácico; dispnéia; tosse com ou sem expectoração; hemoptise(cuspir sangue); dor torácica; calafrios; febre; coriza.
B. Sintomas cutâneos: hiperidrose; sudorese noturna; urticária; dor cutânea.
C. Mental: medo; depressão; claustrofobia.
D. Membros superiores: dor ou parestesias ao longo .da área do meridiano.

2. Sintomas de Plenitude energética: respiração ruidosa; voz alta; distensão torácica; dor dorsal alta; dor nos ombros e braços; dor cutânea; hemoptise; tosse com chiado; febre; calafrios; dor torácica; expectoração purulenta ou de odor fétido.
3. Sintomas de pulmão em Vazio  energética: taquipnéia com tosse; escarro fluido; voz fraca ou baixa; chiado seco; sudorese noturna; medo; claustrofobia; depressão; parestesias profundas e maldefinidas ao longo da área do meridiano.




                                               

O meridiano do intestino grosso, Yang Min do braço


Este meridiano é Yang, acoplado com o meridiano do pulmão, que é Yin. Recebe energia do meridiano do pulmão, transmitindo-a ao meridiano do estômago.
Seu elemento é o Metal de Yang, sendo sua mãe do elemento Terra (o meridiano do estômago) e seu filho de Água (o meridiano da bexiga).
Tem vinte pontos de cada lado.

I. Caminho do meridiano

O meridiano principal do intestino grosso tem seu início na ponta do dedo indicador, sendo a continuação do fluxo energético do meridiano do pulmão (de uma ligação de Lieque (P7), a Shangyang (IG1)).
O meridiano do intestino grosso sobe pelo dedo indicador dorso-radial da mão, passando pelo músculo do primeiro interossal, depois pela face dorso-radial do antebraço, entre os músculos extensores longo e curto do polegar; sobe até o dorso lateral do cotovelo, na borda lateral do músculo bíceps e tríceps do braço, chegando ao ombro.
Do ombro, o meridiano caminha pela região superescapular, liga com Du-Mai no ponto Dazhui (DMl4), depois volta para a fossa supraclavicular, ligando-se ao ponto Quepen (E12) do meridiano do estômago.
.. 9
Desse ponto, parte um ramal pelo espaço mediastínico que desce para o abdômen, ligando-se com o intestino grosso.
Do espaço mediastinal sai uma conexão que se liga aos pulmões.
Da fossa supraclavicular, o meridiano sobe pela borda lateral do músculo esterno-clidomastóideo do pescoço até a região mandibular pelo lado da boca e caminha pelo lado oposto à asa do nariz, cruzando na altura do lábio (.. 9).

ll. Quadros clínicos

1. Sintomas principais: gengivite; odontalgias: caninos, pré-molares e molares baixos.
A. Boca: faringite; amigdalite e boca seca.
B. Nariz: coriza; obstrução e epistaxe.
C. Nuca e braços: dor no pescoço e inchação; algias no membro superior; arroto; náuseas e vômito; dor epigástrica; indigestão; sensação de vazio gástrico; mau hálito; constipação.
D. Condições gerais: fadiga; cansaço aparente; calafrios; tremor; bocejos freqüentes; ulcerações da mucosa; febre (às vezes); sudorese (às vezes). E. Face: paralisia ou espasmo facial; acne; obstrução nasal; coriza (sinusite maxilar).
F. Mental: pouca sociabilidade; aversão ao fogo; busca de isolamento; P.M.D. (psicose maníaco-depressiva).
G. Membros: dor; parestesia; frieiras; adormecimento ao longo do meridiano. H. Sintomas do intestino grosso: dor abdominal; borborigmo; constipação ou diarréia.

2. Sinais e sintomas de Plenitude energética do meridiano.
A. Fome freqüente; dor e distensão epigástrica; secura e mau hálito; urina amarelada; constipação; sensação de calor pelo corpo; inchaço do pescoço e dor de garganta; espasmos faciais; dor nas pernas e nos joelhos (ao longo do meridiano); parestesias; adormecimento no braço ao longo do caminho do meridiano do intestino grosso.

3. Sintomas e sinais de Plenitude energética: dor de garganta; febre e epistaxe; boca seca ou queimação; borborigmo; dor abdominal; constipação. 4. Sintomas e sinais de Vazio energética: sensação de frio nas extremidades; aumento do peristaltismo; diarréia.


O meridiano do estômago, Yang-Yin da perna

O meridiano do estômago recebe energia do meridiano do intestino grosso, transmitindo-a ao meridiano do baço-pâncreas. É um meridiano Yang acoplado com o meridiano do baço-pâncreas, que é Yin.
Em relação aos cinco elementos, é de Terra, sendo sua Mãe de Fogo (meridiano do intestino delgado) e seu Filho de Metal (o meridiano do intestino grosso).
Possui 45 pontos de cada lado.
I. Trajetória
O meridiano do estômago do Yang-Yin da perna tem sua origem nos dois lados do nariz e, comunicando-se com o meridiano da bexiga na raiz do nariz, penetra pelo arco dentário superior e sai pela pálpebra inferior do olho, descendo pelo ângulo da boca para a mandíbula. A partir do ângulo mandibular, sobe pelo arco zigomático na frente do ouvido e passa pela testa até a borda do cabelo,
O ramal principal do meridiano do estômago desce pela mandíbula no ponto Dayin (E5), desce pelo lado ântero-lateral do pescoço ao longo do lado medial do músculo esterno-clidomastóideo até a fossa supraclavicular onde se situa o ponto Quepen (E12).
A partir do ponto Quepen (E12), o meridiano do estômago divide-se em dois ramos, sendo um profundo e outro superficial.
O ramo profundo desce ao longo do esôfago, passa pelo diafragma até a região do estômago e tem um ramo que liga com os órgãos do baço-pâncreas.
O ramo superficial do meridiano do estômago desce pelo ponto Quepen (E12) pela linha do· mamilo; passa na borda costal; atravessa a lateral do músculo reto-abdommal até a região inguinal na lateral do osso púbico; desce pela borda medial da artéria femural; depois segue pelo lado ântero-lateral da coxa, na origem dos músculos sartório e tensor da fáscia lata, descendo pela borda lateral do músculo reto-femural ao longo da rótula dos joelhos; atinge o lado ântero-lateral da tíbia e o lado do músculo da tíbia anterior até o dorso do pé, passando entre o segundo e o terceiro metatarsos até o segundo dedo do pé .


II. Sintomatologia

I. Sintomas principais
A. Sintomas gastrintestinais: distensão gástrica; arroto; náuseas e vômito; dor epigástrica; indigestão; sensação de vazio gástrico; mau hálito; constipação.
B. Condições gerais: fadiga; cansaço aparente; calafrios; tremor; bocejos freqüentes, ulcerações de mucosa; febre (às vezes); sudorese (às vezes). C. Face: paralisia ou espasmo facial, acne; obstrução nasal; coriza (sinusite maxilar).
D. Mental: pouca sociabilidade; aversão ao fogo; busca de isolamento; P.M.D. (psicose maníaco-depressiva).
E. Membros: dor; parestesia; frieiras; adormecimento ao longo do meridiano.
2. Sinais e sintomas de Plenitude energética do meridiano: fome freqüente; dor e distensão epigástrica; secura ·e mau hálito; urina amarelada; constipação; sensação de calor pelo corpo; inchaço do pescoço e dor de garganta; espasmos faciais; dor nas pernas e joelhos (ao longo do meridiano).
3. Sinais e sintomas de Vazio energética do meridiano: calafrios; bocejos; sensação de cansaço; suspiros; depressão; pessimismo; indisposição; ardência precordial; perda de apetite; distensão gástrica; eliminação de fezes malformadas; disenteria; urina clara; paralisia facial.

                                

O meridiano do baço pâncreas, Tai-Yin da perna


Este meridiano é de natureza Yin e apresenta-se acoplado ao meridiano do estômago, que é de natureza Yang. Recebe a energia do meridiano do estômago, e transmite-a ao meridiano do coração.
Pertence ao elemento Terra de Yin, enquanto sua Mãe é de Fogo, de Yin (o meridiano do coração) e seu filho é de Metal, de Yin (o meridiano do pulmão).
Tem 21 pontos de cada lado.
I. Trajetória

Este meridiano começa no dedão do pé; sobe ao longo do lado medial do dedão, primeiro metatarso ao maléolo medial. Continua ao longo da borda póstero-medial da tíbia; passa pelo lado medial do joelho, e sobe pelo lado medial da coxa, atingindo a região da virilha; daí, segue pela região ântero-lateral do abdômen e pelo lado lateral do peito até a axila.
O ramal profundo parte da região inguinal; introduz-se na cavidade do abdômen; liga-se ao meridiano do baço-pâncreas e ao do estômago; passando pelo diafragma; contorna então o esôfago e atinge a raiz e o lado inferior da língua.
Este meridiano possui um outro ramal que sai do estômago, passa pelo diafragma e liga-se ao coração .

II. Sintomatologia
1. Sintomas principais
A. Gerais: desnutrição; palidez.
B. Gastrointestinais: epistralgia; distensão abdominal; eructação; náuseas e vômitos depois de comer; dispepsia; opressão no peito; diarréia; icterícia; dor na raiz da língua; corpo desvitalizado e indolente; depressão; insônia; sonolência e tendência a sonhar.
C. Musculares: distrofia e fraqueza muscular.
D. Hematológicos: anemia; menorragia.
E. Psicológicos: dificuldade de concentração; preocupação; depressão.
1.    Sintomas e sinais de excesso energético: distensão abdominal; epigastralgia; icterícia e febre; dor nas articulações; eructação; constipação.
3. Sintomas e sinais de Vazio energética: distensão do intestino; borborigmo; diarréia; indigestão; inapetência; náuseas e vômito; insônia (acorda facilmente); fraqueza e distrofia dos membros; indolência; ascite.

                                                      

O meridiano do coração, Shao-Yin da mão


Este meridiano é de natureza Yin, apresenta-se acoplado ao meridiano do intestino delgado, que é Yang. Recebe energia do meridiano do baço-pâncreas, transmitindo-a ao meridiano do intestino delgado.
Em relação aos cinco elementos, pertence ao Fogo de Yin, sendo sua Mãe o meridiano do fígado (Madeira) e seu Filho o meridiano do baço-pâncreas (Terra).
Tem nove pontos de cada lado.

I. Trajetória "

A energia deste meridiano sai do coração pelo caminho do nervo autônomo do sistema cardiovascular; descendo, passa pelo diafragma, comunicando-se com o intestino delgado.
O ramal principal sai do coração e sobe pelo pulmão, atingindo a axila. Passa então ao longo do lado medial e ulnar do braço e desce pelo epicôndilo medial do cotovelo e pelo lado medial dos músculos flexores ulnar carpal. Passa pelo pulso entre o quarto e quinto metacarpos da mão e chega ao ponto do dedo mínimo.
' O ramal colateral profundo sobe do coração ao longo do esôfago, da faringe e da raiz da língua, passa atrás do nariz, por entre os olhos, comunicando-se com os seus tecidos (.. 25).

II. Sintomatologia

1. Sintomas principais

A. Coração: falta de ar; aperto no coração; palpitação; dor no coração. B. Vasculares: sensação de calor e rubor no rosto; calor na palma da mão; suor noturno.
C. Boca e língua: boca seca e sede; rigidez na língua; língua avermelhada e
apresentando úlceras.
D. Braço: dor, adormecimento ou formigamento no braço, ao longo do
meridiano.
E. Mental: nervosismo; insônia; falta de memória; muito sonho.

2. Sintomas e sinais de excesso de energia: boca seca e sede; dor no coração (pré-cardial); dor no trajeto do meridiano; rosto avermelhado; ansiedade e insônia; língua rígida, apresentando coloração avermelhada e úlceras; aumento da pulsação.

3. Sintomas e sinais de Vazio energética: dispnéia no esforço; aperto no peito; palpitação; muito sonho; insônia; calor na palma da mão; hipertranspiração à noite; falta de memória; membros frios.



                                         

O meridiano do intestino delgado, o Tai-Yang da mão


Este meridiano é de natureza Yang, e se apresenta acoplado ao meridiano do coração, que é Yin. Recebe a energia do meridiano do coração, transmitindo-a ao meridiano da bexiga.
Em relação aos cinco elementos, pertence ao elemento Fogo de Yang, sendo sua Mãe o meridiano da vesícula biliar (Madeira) e seu Filho meridiano do estômago  ( terra).
Tem dezenove pontos de cada lado.

I. Trajetória
A energia do meridiano do intestino delgado começa no ponto do dedo mínimo (quinto) da mão, sobe pelo lado ulnar da mão, passando pelo punho; seguir corre ao longo do lado ulnar dos músculos extensor carpo-ulnar d carpo e flexor carpo-ulnar; no cotovelo passa pelo lado medial do olecrânio depois sobe pelo lado ulnar do músculo tríceps braquial até a borda posterior lateral do ombro.
A partir do ombro, sobe, passando ao longo do osso omoplata e da fossa supraclavicular por entre o tronco (pelo espaço mediastinal); liga-se ao coração, desce e, atravessando o diafragma e o abdômen, atinge o intestino delgado.
Um de seus ramais sobe da fossa supraclavicular ao longo do lado do pescoço (em posição póstero-lateral) do músculo esterno-clidomastóideo a lado do rosto até o ângulo lateral do olho, dirigindo-se, então, para trás d ouvido.
O outro ramal desce lateralmente ao rosto passando pela parte inferior do olho até seu ângulo medial (.. 28).

II. Sintomatologia
1. Sintomas principais
A. Cervical: dor; adormecimento ou formigamento na nuca; ombro e braço longo do trajeto do meridiano.
B. Ouvidos: zumbido; Surdez.
C. Garganta: dor; úlcera.
D. Intestino delgado: dor ao redor do umbigo; borborigmo; diarréia.

2. Sintomas e sinais de excesso de energia: dor de garganta; dor e rigidez na nuca; dor no ombro e braço; dor nos olhos.
3. Sintomas e sinais de Vazio energética: borborigmo; diarréia; zumbido Surdez; adormecimento ou formigamento do braço ao longo do trajeto do meridiano.












O meridiano da bexiga, Tai-Yang da perna




Este meridiano recebe a energia do meridiano do intestino delgado e a transmite ao meridiano dos rins.
Sua natureza é yang, apresentando-se acoplado ao meridiano dos rins que é Yin. Pertence ao elemento Água; sua Mãe é do elemento Metal (o meridiano do intestino grosso) e seu Filho é de Madeira (o meridiano da vesícula biliar).Tem 67 pontos de cada lado.
I. Trajetória
O meridiano da bexiga tem seu início no ângulo medial dos olhos, subindo pela região frontal, parietal e occipital da cabeça. Tem um ramal que desce da região parietal para o ouvido, retornando ao trajeto principal na fossa suboccipital.
Possui outro ramal que, saindo da parte mais alta e superficial da cabeça, se introduz no cérebro, voltando ao trajeto principal na fossa suboccipital (no ponto Tianzhu (B10)).
Da nuca, ao longo dos músculos paravertebrais, o trajeto principal desce pelas costas até a região sacroílica, pela nádega, por trás da coxa, até a fossa poplítea. Há um ramal nas costas que se liga aos rins e depois à bexiga, descendo pelo lado da virilha e por detrás da coxa até o poplíteo.
Da nuca sai outro ramal, que, descendo pelo lado medial da omoplata e pelo lado dos músculos ílio-costais até a nádega, liga-se com o meridiano da vesícula biliar no ponto Huantiao (VB3O); atrás da região trocanteriana, desce pelo lado do músculo bíceps femural até o poplíteo.
Da fossa poplítea, o meridiano da bexiga desce entre os músculos atrás da perna pelo lado do tendão de Aquiles e pela borda do maléolo lateral do pé, até a borda lateral do quinto dedo do pé


II. Sintomatologia
1. Sintomas principais
A. Nuca e costas: lombalgia; dor nas costas; rigidez na nunca e costas; dor ciática; dor na região ílio-sacra.
B. Dor de cabeça: frontal; parietal; occipital.
C. Nariz: obstrução nasal; coriza; distúrbio do olfato; epistaxe.
D. Olho: dor no olho; dor supra-orbital.
E. Sistema urinário: infecção; distúrbio da micção.

2. Sintomas e sinais de excesso de energia: dor de cabeça; dor e rigidez na nuca; dor aguda nas costas, lombar e na perna; febre; comportamento maníaco.
3. Sintomas e sinais de Vazio energética: frio nas costas; dor nas costas com irradiação para a perna; adormecimento ou formigamento da perna ao longo de seu trajeto.


                                            
O meridiano dos rins, o Chao-Yin da perna

Sendo Yin, este meridiano se apresenta acoplado ao meridiano da bexiga, Yang, de quem recebe a energia que, posteriormente, transmite ao meridiano do pericárdio. Em relação aos cinco elementos, é de Água; sua Mãe é o meridiano do pulmão (Metal) e seu Filho o meridiano do fígado (Madeira).Tem 27 pontos de cada lado.

I. Trajetória
O meridiano dos rins começa na planta do pé e ascende, pelo lado inferior medial da cabeça do primeiro metatarso, seguindo pelo lado medial do os: cubóide, região póstero-inferior do maléolo medial e ao longo da borda medi do músculo gastrocnêmio, na região póstero-medial do joelho e, medialmente à coxa, ao longo dos músculos adutor e grácil, entre a pélvis e ventralmente vértebras até o rim.
O trajeto tem seu início no rim, desce pelo lado do músculo psoas até pélvis e a bexiga. Saindo da pélvis, corre ao longo do lado medial do músculo reto-abdominal (ao lado da linha alóa) e do externo até a frente do pescoço.
Há um ramal que sai do rim, sobe, passando pelo diafragma e segue paralelo ao pulmão, ao longo da traquéia e da garganta, até a raiz da língua
Outro ramal sai do pulmão, une-se ao coração e, passando pelo peito liga-se ao pericárdio, de onde transmite energia ao meridiano do pericárdio (.. 37).

II. Sintomatologia

1. Sintomas principais



A. Resistência geral: cansaço; pouca resistência; queda do nível da ambição boca e garganta secas.
B. Adrenal e genital: impotência; esterilidade; distúrbio do crescimento tendência à velhice; hiperpigmentação.
C. Ossos e cérebro: distúrbio de desenvolvimento de dentes e ossos; instabilidade dos dentes; retardamento mental; esquizofrenia.
D. Cabelo: queda ou ausência de cabelo; falta de brilho no cabelo.
E. Ouvido: zumbido; surdez; vertigem.
F. Distúrbios urogenitais: formação de cálculos; oligúria ou poliúria.
2. Sinais e sintomas de excesso de energia: sede e ardência na boca; distensão abdominal; diarréia.
3. Sinais e sintomas de Vazio energética: espermatorréia; impotência lombalgia; frio nos ombros; queda de cabelos; enfraquecimento dos dente zumbido ou dificuldade de audição; oligúria; edema e ascite; insônia; distúrbio mental.





O meridiano da Circulação da Sexualidade Jue-Yin do braço
O meridiano do pericárdio é Yin. Recebe energia do meridiano dos rins, transmitindo-a ao meridiano do triplo-aquecedor Yang, ao qual está acoplado.
Em relação aos elementos, este meridiano é de Fogo, de Yin no período de outono e inverno, e de Água durante a primavera e verão. Tem nove pontos de cada lado.

I. Trajetória
A energia deste meridiano começa no peito; descendo, passa pelo diafragma e se liga a todas as partes do triplo-aquecedor.
Um ramal sai do ponto central da axila e corre ao longo da borda medial do músculo bíceps do braço, entre o meridiano do pulmão e do coração, até o lado medial do cotovelo. Desce, então, ao longo dos tendões do músculo longo da palma e do músculo flexor carpo-radial da mão. Na mão, ele passa entre o terceiro e o quarto metacarpos, no terceiro dedo.
Há um ramal da mão que liga ao quarto dedo (Fig. 40).


II. Sintomatologia 1. Sintomas principais
A. Circulatório (vascular): dor no coração; rubor e calor no rosto; calor na palma da mão; aperto no peito; palpitação.
B. Psicossomático: distensão abdominal; irritabilidade; ansiedade.
C. Mental: Riso incontrolável; desconcentração; deleção; retardamento.
D. Braços: dor e adormecimento no braço ao longo do trajeto do meridiano.
2. Sintomas e sinais de excesso de energia: calor e vermelhidão facial; opressão no peito; dor na axila; convulsão infantil; ansiedade; riso incontrolável; dor no coração.

3. Sintomas e sinais de depleção energética: palpitação; vexação; desconcentração; retardamento.


                                           

O meridiano do triplo-aquecedor, Shao-Yang do braço

Aplicaçäo: agulhar, perpendicularmente, 0,5-1 polegada; moxa,15 minutos. Indicações: opressão no peito; dor no coração; náuseas e vômitos; pleurite; mastite; furunculose; depressão e ansiedade; vexação; pericardite; amigdalite. 5. Jianshi (PCS): ponto Jing, pertence ao elemento Metal
Localização: 3 polegadas acima da prega do punho, entre os tendões dos músculos palmar longo e flexor carpo-radial (.. 42).
Aplicação: agulhar, perpendicularmente, 0,3-0,5 polegada; moxa,10-15 minutos.
Indicações: palpitação; angina. pectoris; epigastralgia; náusea e vômito; depressão e ansiedade; dor na garganta; voz rouca; malária; escabiose; inchaço e rigidez no braço; epilepsia; distúrbio mental.
6. Neiguan (PC6): ponto Lo
Localização:1 polegada abaixo do ponto Jianshi (PCS); 2 polegadas acima do punho, entre os tendões dos músculos palmar longo e flexor carpo-radial

Este meridiano é de natureza Yang, e vem acoplado ao meridiano do pericárdio de Yin, que lhe fornece energia transmitindo-a ao meridiano d vesícula biliar.
Em relação aos cinco elementos, é Fogo de Yang durante o outono
inverno, e Água na primavera e verão. Tem 23 pontos de cada lado.

I. Trajetória
Este meridiano começa no ponto do quarto dedo da mão, sobe pelo lado dorsal da mão, entre o quarto e o quinto metacarpos, passa pelo punho no meio do lado dorsal do punho e do antebraço, entre os ossos rádio e ulnar.
Sobe, passa pelo olécrano (no lado radial) e lado radial do músculo tríceps no lado posterior do ombro.
O trajeto passa atrás do ombro, sobe pela supra-escapular e atrás d nuca da região auricular até a região lateral do supercilio, onde se liga ao meridiano da vesícula biliar.
Há um ramal que sai da supraclavicular, entra no tronco do corpo, desce pelo mediastino e se liga ao pericárdio e à pleura. Descendo, passa pelo diafragma indo até a cavidade abdominal, ligando-se ao peritônio e à serosa intestinal, visceral e pélvica.

 O ramal do pulmão (pleura) sobe pela nuca, ao longo da borda posterior da orelha na região temporal, desce até a região maxilar, alcançando então a região infraorbital (.. 43).

II. Sintomatologia
1. Sintomas principais
A. No ouvido: zumbido; vertigem; dor.
B. Relacionados com o pulmão e o coração (aquecedor superior): transpiração espontânea; tosse; dor na faringe; língua rígida; membros frios; má disposição; desconcentração.
C. Relacionados com o gastrointestino e baço-pâncreas (aquecedor médio): muito calor e suor à tarde; anorexia; náusea; distensão abdominal; desequilíbrio hídrico; alteração mental.
D. Relacionados com o órgão urogenital: polidipsia; edema; oligúria; disúria; frigidez; ascite; distúrbio genital.
2. Sintomas de excesso de energia: dor ao longo do meridiano; dor na faringe; distensão abdominal; disúria; surdez.
3. Sintoma de Vazio energética: transpiração espontânea; vertigem; zumbido e surdez; mãos frias e entorpecidas.

O meridiano dá vesícula biliar, o Chao-Yang das pernas

Este meridiano é de natureza Yang, acoplado ao meridiano do fígado que é de Yin. Recebe energia do meridiano do triplo-aquecedor, transmitindo a ao meridiano do fígado.
Em relação aos cinco elementos, é Madeira de Yang, sendo. sua Mãe meridiano da bexiga (Água) e seu Filho o meridiano do intestino delgado (Fogo).
Possui 44 pontos de cada lado.

I. Trajetória

O meridiano da vesícula biliar começa no ângulo lateral do olho, sol para a região temporal, desce por trás do ouvido, ao longo do lado da nuca pela frente do meridiano triplo-aquecedor até a fossa supraclavicular.
Há um ramal que passa por trás e entra no ouvido, saindo pela frente da orelha no ângulo lateral do olho. Desse mesmo ponto, sai outro ramal que desce pelo lado medial da mandíbula, atravessa a região maxilar inferior do olho, e desce pelo pescoço até atingir a fossa supraclavicular. A seguir, acompanhado do outro ramal, desce pelo mediastino, passa pelo diafragma e liga-se com o' fígado e a vesícula biliar. Saindo da vesícula biliar, desce pelo lado lateral do abdômen e atinge a região inguinal e vira por trás, na região trocantérica.
O meridiano principal sai do ângulo lateral do olho, passa na frente da orelha pela lateral da cabeça, e desce pela lateral do músculo trapézio na região supra-escapular. Segue pela frente do ombro, ao lado do peito, desce pelo lado do tronco na região trocantérica, ligando-se com o meridiano da bexiga na região da nádega. Desce pela borda lateral da coxa, perna e pela pane ântero-lateral do tornozelo até o lado dorsal do pé, passando entre o quarto e o quinto metatarsos no quarto dedo do pé.
Há outro ramal que se separa no lado dorsal do pé, passa entre o primeiro e o segundo metatarsos até o lado dorsal do dedão do pé e liga-se com o meridiano do fígado (.. 47).


II. Sintomatologia

1. Sintomas principais
A. Dor ao longo do trajeto do meridiano: enxaquecá (dor têmporo-oftálmica); dor no ouvido; occipitalgia; dor na nuca; dor na axila; dor no quadril, coxa e perna.
B. No olho: perturbação da visão; conjuntivite.
C. No ouvido: vertigem; surdez.
D. Distúrbio do fígado e da vesícula biliar: icterícia; frio e febre; dor na reborda costal; boca amarga.
E. Mental: insônia; ansiedade; irritabilidade; irascibilidade; fobia; suspiros freqüentes.
2. Sintomas e sinais de excesso de energia: febre com sensação de frio; boca amarga; dor na axila e margem costal; irritabilidade; icterícia; língua avermelhada; enxaqueca.

3. Sintomas e sinais de Vazio energética vertigem, tontura e vômito; perturbação da visão; insônia e tendência ao sonho; zumbido e surdez; fobia.









O meridiano do Fígado, Jue-Yin da perna

Este meridiano é de natureza Yin, acoplado ao meridiano da vesícula biliar, que é Yang. Recebe a energia do meridiano da vesícula biliar, e a transmite ao meridiano do pulmão.
Em relação aos cinco elementos, é Madeira, de Yin; sua Mãe é de Água (o meridiano dos rins) e seu Filho é de Fogo (o meridiano do coração). Possui quatorze pontos de cada lado.

I. Trajetória
Este meridiano começa no dedão do pé, pelo lado do pé entre o primeiro e o segundo metatarsos, passando no ponto Zhongfeng (F4), 1 polegada na frente d.o maléolo medial.
Cruza com o meridiano do baço-pâncreas no ponto Sanyinjiao (BP.6) acima do maléolo medial, e sobe pelo lado ântero-medial da perna na borda medial da tíbia. Segue pelo lado medial do joelho e coxa para a região. genital externa e suprapúbica, onde se junta com o meridiano do Ren-Mo.
Continuando sua trajetória, sobe pelo lado do abdômen, até a reborda costal, ligando-se ao fígado e à vesícula biliar.
Este meridiano possui um ramal que sobe atravessando o diafragma pelo lado posterior do tórax, esôfago, laringe; passa pela região naso-faringeal e liga-se aos olhos. Desse ramal, sai dos olhos atingindo a região maxilar ao redor dos lábios.
O ramal do fígado passa pelo diafragma e pulmão ligando-se ao meridiano do pulmão (.. 52).

II. Sintomatologia
1. Sintomas principais
A. No aparelho urogenital: dor no órgão genital externo; dor suprapúbica; distúrbio de menstruação; doenças infecciosas nos órgãos da pélvis; ptose do útero; distúrbios de micção.
B. No olho: conjuntivite; perturbação da visão.
C. No fígado: dor no fígado, na região da borda costal direita; hepatrofia ou alargamento do fígado; febre; icterícia.
D. Nos tendões e fáscias: tendinite; periartrite; espondilite.
E. Na mente: irritabilidade, irascibilidade; emotividade; insônia; tendência ao sonho; estado maníaco.
2. Sintomas e sinais de excesso de energia: dor no peito, reborda costal e epigastral; dor nos órgãos genitais; convulsão; dor de cabeça; conjuntivite e olhos lacrimejantes; insônia; boca amarga; irascibilidade e emotividade; dispepsia; náuseas e vômito.
1.    Sintomas e sinais de Vazio energética: tontura; perturbação da visão; zumbido; fraqueza nas costas e pernas; olhos secos.





"...homenageamos a todas as árvores, plantas e animais que foram cruelmente assassinadas pelas mãos insanas dos homens...homenageamos a todas as árvores plantas e animais que heroicamente sobreviveram a ação devastadora dos homens...homenageamos a todos os homens que tiveram a coragem de penetrar em sua natureza mais profunda... E desta forma se tornaram unos com o universo."